sábado, 28 de novembro de 2009

Mensagem do Dia

"Graças ao bom Deus, sempre tenho forças." (Padre Pio de Pietrelcina)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Rir é um bom remédio



Nunca nos esqueçamos, todo o poder vem de Deus! Mantenha-mos pois nossos olhos fitos no Senhor!

Foto da semana

Dependência de Deus

Você vive a dependência de Deus?
Vivemos da Divina Providência! A Canção Nova é a linda aventura de viver, nos dias de hoje, a total dependência de Deus. Depender de Deus é difícil, porque exige de nós dar a Ele o controle de tudo e não mais ter as rédeas da nossa vida, como nos propõe o mundo atual, com seu individualismo. Mas temos de saber o que o Senhor quer de nós.

Muitos não têm a coragem de viver dessa maneira. Por isso, e somente por isso, não experimentam a ação da Providência Divina em suas vidas. Continuo com minha carteira quase sempre vazia e minha conta bancária contém o mínimo para não ser fechada. Pelas minhas mãos passaram milhões, mas eu, graças a Deus, não possuo nada. Não tenho nenhuma propriedade. Empreguei a herança de meus pais no terreno que adquirimos em Cachoeira Paulista.

Graças a Deus, não tenho nada. Posso afirmar que minha única propriedade é o Senhor. Ao dizer isso, não estou me vangloriando, mas testemunhando que tudo isso foi necessário, imprescindível, para que hoje tivéssemos tudo o que o Senhor nos dá por acréscimo.

Deus o abençoe!

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

Mensagem do Dia

"A busca de Deus é a busca da alegria. O encontro com Deus é a própria alegria."
(Santo Agostinho)

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Tenha fé!

Tenha fé
Fomos marcados por um conceito totalmente errado sobre fé. Como se esse dom fosse somente acreditar, com a inteligência, na existência de Deus; acreditar nos dogmas da Igreja, na virgindade de Maria, na ressurreição da carne, na inefabilidade do Papa... Sem dúvida, é também tudo isso. Mas o primeiro passo de fé não é crer intelectualmente, e sim confiar em Deus: naquilo que Ele é. Acreditar nas verdades que a Igreja ensina é uma consequência da fé.

Vencemos o demônio resistindo firmes na fé. E firmes na fé significa acreditar na vitória do Senhor em nós. Talvez pensemos que a nossa posição é defensiva, mas o Senhor nos ensina o contrário. Nossa atitude é de reação; reagir firmes na fé.

Reagir fortes na fé: esta é a vitória de Deus na nossa casa, na nossa família.

Qual é o seu impossível: uma doença? Uma deficiência física? Algum alcoólatra na família? Desemprego? Seja o que for Jesus se compadece de você. Ele é o primeiro a estar junto para derramar bênçãos sobre sua vida. Aproxime-se do Senhor e, pela fé, apresente o seu impossível a Ele e creia que Ele virá em seu socorro. Creia que Ele fará o melhor acontecer. Tenha fé.

Deus o abençoe

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

III Resgata-me parte 03







No último fim de semana, Deus oportunizou-me a graça de estar em missão na cidade de Crateús no III Resgata-me(Encontro Diocesano da RCC) na companhia de santos irmãos: James Apolinário - Coordenador Estadual do Ministério de Pregação; Emanuel - Membro do núcleo diocesano de pregadores; Arnaldo - coordenador do Ministério de Música da Com. Canção Nova e Sidney - vocacionado à Com. de Aliança na Canção Nova.
O Senhor foi prodigioso em graças e sinais. Como diz meu irmão James - "O fogo desceu!"
Um abraço em todos irmãos amados de Crateús e até breve se Deus quiser.

Christian Moreira - Missionário Canção Nova - Comunidade de Aliança

III Resgata-me - Crateús parte 02




III Resgata-me - Crateús parte 01




Mensagem do Dia

"Durante uma provação, chame Jesus constantemente." (Padre Pio de Pietrelcina)

Mensagem do Dia

"Que o dulcíssimo Jesus traga paz a todos os corações aflitos." (Padre Pio de Pietrelcina)

Confraternização - Grupo Combatentes III





Salmos, 99
1. Salmo de ação de graças. Aclamai o Senhor, por toda a terra.
2. Servi o Senhor com alegria. Vinde, entrai exultantes em sua presença.
3. Sabei que o Senhor é Deus: ele nos fez, e a ele pertencemos. Somos o seu povo e as ovelhas de seu rebanho.
4. Entrai cantando sob seus pórticos, vinde aos seus átrios com cânticos; glorificai-o e bendizei o seu nome,
5. porque o Senhor é bom, sua misericórdia é eterna e sua fidelidade se estende de geração em geração.

Boa Noite, combatentes!

Peço a Deus Pai Todo Poderoso que cumule todos e cada um de vocês de todas as bençãos necessárias as suas casas; A vida de cada um de vocês combatentes é um evento único e irrepetível. Jamais esqueçam que são preciosos aos olhos de Deus e aos nossos olhos.

Coordenação do Grupo Combatentes.

"O verdadeiro guerreiro não é aquele que sempre vence, mas aquele que nunca desiste da luta"! Christian Moreira

Deixe seu comentário com seu testemunho.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Confraternização - Grupo Combatentes II





Confraternização - Grupo Combatentes I





Instituições católicas podem romper com Washington

WASHINGTON, segunda-feira, 23 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- Devido à determinação dos legisladores de redefinir o matrimônio, a arquidiocese de Washington, D.C., Estados Unidos, anunciou que não terá outra opção a não ser retirar-se de sua colaboração com o governo na cidade.
Uma norma sobre “igualdade do matrimônio civil” exigiria que as instituições católicas oferecessem os mesmos benefícios aos empregados que têm uma união homossexual que a um empregado com um matrimônio heterossexual. As licenças das instituições educativas e profissionais católicas estão também em jogo.
Em um artigo de opinião no Washington Post, na semana passada, o arcebispo Donald Wuerl explicava por que a lei obrigaria a arquidiocese a cancelar sua parceria.
Ele afirma que a Igreja não dá ultimato, mas simplesmente reconhece que “os novos requerimentos da cidade às organizações religiosas para que reconheçam os casamentos homossexuais em suas políticas poderia restringir nossa capacidade de proporcionar o mesmo nível de serviços que temos agora”.
“Isso se deve a que o Distrito requer das entidades caritativas católicas certificar sua conformidade com as leis da cidade quando for solicitar contratos e donativos. Dado que as entidades caritativas católicas não podem cumprir os mandatos da cidade e promover os casamentos homossexuais, a cidade teria de recusar contratos e licenças”, esclarece.

Foto da Semana



Nós pregamos o Cristo crucificado, coluna de nossa fé e certeza de nossa ressureição.

Testemunho

Mulher é curada de um câncer durante Missa do Clube da Evangelização

Maria Eunice, da cidade de Formiga (MG), sócia fiel, testemunha que recebeu a cura de um câncer durante Missa do Clube da Evangelização, em julho de 2006.



"Estava em casa assistindo à TV Canção Nova, como faço de costume, pois sou telespectadora assídua da Santa Missa do Clube da Evangelização. Estava com um grande tumor na garganta, era visível a todos. O médico determinou que eu iria fazer dez sessões de quimioterapia; e a quarta seria numa sexta-feira.



E enquanto o padre rezava durante a Santa Missa, passei de telespectadora a participante. Parece que eu estava na Canção Nova, junto com todo aquele povo que se encontrava no Rincão. Rezei muito, com muita fé! Na homilia, padre Edimilson proclamou a cura de uma pessoa que estava com um caroço na garganta. Proclamou também que essa pessoa o cuspiria e foi o que aconteceu. Na sexta-feira, retornei ao médico. Ele passou inúmeros exames e não aceitei fazer a sessão de quimioterapia, como estava combinado.

E para a surpresa de todos, quando os exames chegaram, eu estava curada! O médico ficou desconsertado e pediu que eu repetisse os exames. Submeti-me novamente aos exames e mais uma vez foi comprovado que eu estava curada. O médico disse: "Se você acredita em Deus, você está diante de um milagre, pois a medicina não explica a sua cura". Graças a Deus, graças à TV Canção Nova, eu estou curada!



Muito obrigada por ser canal da cura em minha vida! E testemunho o que Deus operou em minha vida e digo mais: vamos ajudar esta obra, porque ela é de Deus. Falo isso porque experimentei isso".




A Canção Nova só pôde ser canal de cura na vida de Maria Eunice, porque existem milhares de pessoas que sustentam esta obra de evangelização com orações e doações.

Muito obrigado, sócio evangelizador! Você é um grande benfeitor na vida de muitos, proporcionando-lhes momentos de cura e libertação como esse. Juntos somos mais! Juntos para a restauração de mais famílias, por meio de milagres e prodígios, juntos promovendo a vida!

Seja você também um benfietor desta obra de Deus. Associe-se já pelo fone:(12)3268-2600. Deus te abençoe!

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Confie em Deus!

Confie e Deus derramará muitas graças sobre você
A Providência Divina que funciona na Canção Nova, funciona também na vida de qualquer pessoa que ousa confiar inteiramente em Deus. Deixe-me dizer-lhe diretamente: Deus quer agir na sua vida como age na Canção Nova.

O que faz conosco, Ele quer fazer com você, na sua vida, na sua família. A condição é sempre a mesma para nós e para você: confiar inteiramente na Providência d'Ele. Confiar cada dia mais. Confiar como alguém que trabalha, mas sabe que o resultado não será simplesmente fruto do seu trabalho, mas da Providência Divina.

Deus, que não se deixa vencer em generosidade, haverá de derramar muitas graças sobre você e sua família.

Deus o abençoe!

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

sábado, 21 de novembro de 2009

Mensagem do Dia

"Faltar com a caridade é pecar contra a própria natureza." (Padre Pio de Pietrelcina)

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Adoração - Dom de Deus

Adoração: Dom de Deus
A adoração é um dom de Deus e não um esforço nosso. O primeiro passo sempre é de Deus. É Ele quem toma a iniciativa de estar conosco, de se relacionar conosco para estabelecer uma relação íntima, de amizade. Por isso, a adoração não é apenas um desejo do nosso coração, mas mais do que isso, é um desejo do Senhor.

Cada um de nós tem um coração de adorador que precisa ser trabalhado e desenvolvido para crescer no dom da adoração. Insisto: essa indisposição que você sente para não adorar ao Senhor não é sua.

Este trabalho para crescer na adoração consiste em um acolhimento da graça de Deus. Sim, é um dom que o Todo-poderoso quer nos dar pela ação do Espírito Santo. É dom, é preciso em primeiro lugar acolhê-lo.

Adoremos a Deus sem outros interesses, porque Deus é Deus. Tudo nos virá por acréscimo, porque saímos do sistema do mundo que nos colocava como centro e colocamos o Criador como único centro de nossa vida.

Deus o abençoe!

Seu irmão,


Monsenhor Jonas Abib.

fonte: cancaonova.com

A Cultura Relativista

Cultura relativista manipula as consciências, adverte Papa
Mensagem pontifícia à Congregação para a Evangelização dos Povos
CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 17 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- O Papa advertiu que a cultura relativista contamina a família, a educação e outros âmbitos da sociedade, manipulado as consciências.
Bento XVI tocou nessa questão em uma mensagem dirigida ao prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, o cardeal Ivan Dias, com motivo da assembleia plenária da Congregação, que começou ontem na Universidade Urbaniana de Roma, com o tema “São Paulo e os novos areópagos”.
O Santo Padre destacou que, como São Paulo anunciou o Evangelho em Atenas usando uma linguagem inculturada, a Igreja deve proclamar hoje o Evangelho aos novos ambientes, afirmou o Papa.
“O desejo do cristão é que toda a família possa invocar a Deus como Pai Nosso”, explicou na mensagem, publicada nesta segunda-feira pela Sala de Imprensa da Santa Sé.
Mas “não se trata apenas de pregar o Evangelho, mas de alcançar e quase sacudir com a força do Evangelho os critérios de juízo, os valores determinantes, os pontos de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida da humanidade, que estão em contraste com a Palavra de Deus e com o desígnio de salvação”, disse, citando Paulo VI.
“A atividade missionária da Igreja deve portanto se orientar para estes centros neurálgicos da sociedade do terceiro milênio”, continuou.
Sobre as necessidades particulares da sociedade atual por evangelizar, o Papa indicou que “não se deve menosprezar a influência de uma difundida cultura relativista, a maioria das vezes carente de valores, que entra no santuário da família, infiltra-se no âmbito da educação e em outros âmbitos da sociedade e os contamina, manipulando as consciências, especialmente as juvenis”.
Para Bento XVI, “como em outras épocas de mudanças, a prioridade pastoral é mostrar o verdadeiro rosto de Cristo”, o qual “exige que cada comunidade cristã e a Igreja em seu conjunto ofereçam um testemunho de fidelidade a Cristo”.
E isso “construindo pacientemente essa unidade querida por Ele”, porque “a unidade dos cristãos fará, de fato, mas fácil a evangelização e a confrontação com os desafios culturais, sociais e religiosos de nosso tempo”.
“Nesta empreitada missionária podemos olhar o apóstolo Paulo, imitar o ‘estilo’ de vida e o mesmo ‘espírito’ apostólico centrado totalmente em Cristo”, propôs.
E seguidamente assegurou: “com esta completa adesão ao Senhor, os cristãos poderão mais facilmente transmitir às futuras gerações a herança da fé, capaz de transformar também as dificuldades em possibilidades de evangelização”.
Na mensagem, o Santo Padre dedicou palavras de “apreço e de gratuidade” ao cardeal Dias e a toda Congregação para a Evangelização dos Povos, “pelo serviço que se faz à Igreja no âmbito da missão ad gentes”.
Também considerou a assembleia que estão celebrando um “convite urgente a saber valorizar os “areópagos” de hoje, onde se enfrentam os grandes desafios da evangelização”.
“Quer-se analisar este tema com realismo, tendo em conta as muitas mudanças sociais ocorridas –reconheceu. Um realismo apoiado pelo espírito de fé, que vê a história à luz do Evangelho, e com a certeza que tinha Paulo da presença de Cristo ressuscitado”.
E assegurou que, perante essa missão da Igreja, apesar dos problemas, o “Espírito Santo está sempre em ação”.
Bento XVI afirmou que atualmente “se abrem de fato novas portas ao Evangelho e se vai estendendo no mundo o desejo de uma autêntica renovação espiritual e apostólica”.
Referindo-se à encíclica Caritas in veritate, destacou que o desenvolvimento econômico e social da sociedade contemporânea precisa recuperar a atenção à vida espiritual”.
Recuperar também, acrescentou, uma “séria consideração das experiências de confiança em Deus, de fraternidade espiritual em Cristo, de confiança na Providência e na Misericórdia divinas, de amor e de perdão, de renúncia a si mesmo, de acolhida ao próximo, de justiça e de paz”.

Fonte: zenit

Educação dos filhos - Formar para coragem!

Os filhos medrosos

Há medos instintivos: como a galinha foge ao ver pela primeira vez a raposa, o homem recua diante do que lhe representa perigo. Quando o perigo é determinado e conhecido, o medo revigora o homem para a luta ou para a fuga. Quando, porém, a pessoa teme sem saber ao certo o que nem porque, não tendo para onde fugir, toma o tormentoso caminho da angústia.
É instintivamente que as crianças de dois meses estremecem com ruídos súbitos ou com uma luz mais viva que de repente se acende. E mais tarde choram em face de um desconhecido, correm de animais, recuam ante o fogo, gritam quando as suspendem bruscamente ou as giram, etc.
Medo ao desconhecido
Tudo o que é súbito, intenso ou desconhecido produz medo à criança. É por isso que seus terrores são tanto mais numerosos quanto maior é sua ignorância das coisas. Vejam como se apavora facilmente um pequenino de dois a quatro anos. À medida que ele for tomando conhecimento da vida, vai perdendo muitos medos, a menos que uma errada educação os agrave e multiplique.
Ensina-se o medo

A criança é extremamente sugestionável: aprende com facilidade o que vê e escuta.
Se vê a mãe subir à cadeira por causa de uma barata, o pai espavorido com o número 13, as irmãs apavoradas com o trovão, etc., é natural que tome as mesmas ridículas atitudes. Assim se explicam os idiotas pavores de escuro, máscaras, cor preta, soldado, velho mendigo, sangue, etc.
Do ambiente doméstico lhe vêm outros medos: lobisomem, fantasmas, almas de outro mundo, cadáveres, doenças, micróbios, tabus alimentares, supertições mil, personagens imaginários e até reais, mas que antes devem infundir simpatia – soldado, padre, médico, dentista, mendigo…
Há medos cultivados pelos adultos. Pais, incapazes de se fazerem obedecer, apelam para intimidações; empregadas, para acalmarem as crianças, ou as fazerem comer, dormir, etc., ameaçam-nas com a guarda ou bicho-papão! Mães os sugerem a ponto de deformar a criança.
As sugestões provêm também de histórias macabras, filmes impressionantes (entre estes citamos os “infantis” “Branca de Neve” e “Chapeuzinho Vermelho”), certas revistas de quadrinhos, que vão povoando a imaginação das crianças de cenas de violências e sangue, de personagens agressivos e medonhos, e de perigos que ameaçaram outras crianças.
Recomendações excessivas

- “Não subam nas árvores, para não caírem“
- “Não joguem bola, para não se feriem”
- “Não corram na bicicleta, para não quebrarem a espinha”
- “Não se debrucem na janela, que é muito perigoso”
- “Não tomem chuviscos, para não ficarem tuberculosos”
São lições de poltroneria, de falta de iniciativa, de caráter varonil! O que vale é que, em sua maioria, as crianças as desprezam… E se as não desprezam prejudicam-se!
Vida doméstica
Calma e tranqüila, a vida da família espalha nas crianças confiança e bem-estar. Agitada e procelosa, infunde-lhes desassossego e insegurança, levando-as ao medo difuso, gerador de angústias. Se a família é agitada por brigas do casal, por cenas de alcoolismo ou perturbação mental, não admira sejam os filhos agitados por sobressaltos ao menor ruído ou alteração de vozes…
Evitemos o medo
Não pretendemos extirpar da criança todos os medos. Não creio que seja isto possível aos adultos normais. Por mais fortes que sejamos, temos sempre algum medo, embora não o confessemos com facilidade, pois não é lá muito honroso… Procuremos, contudo, evitá-lo nas crianças.
Dar segurança
Um ambiente de segurança, em que os adultos não falem de medos e não os tenham desnecessariamente, é condição essencial. Medo gera medo; segurança estabelece segurança. Amadas, felizes, sentir-se-ão em garantia as crianças. Mesmo em face de perigos, portem-se os pais com moderação e tranqüilidade, sem espantos, porque espanto produz medo.
Ambiente normal
Dê-se aos pequeninos um ambiente normal, habituando-os aos rumores comuns da casa (sem exagerados silêncios para dormirem), à meia luz do quarto para repouso diurno, à escuridão para a noite (e assim se elimina o medo à escuridão).

A criança forte
É necessário dar à criança confiança em si : sono suficiente, alimento, exercício físico, jogos de bola, corrida, exercícios de bicicleta… Isso lhe dá segurança. Arranhou? Mercúrio-cromo… Quebrou? Engessa… Se os companheiros fazem isto tudo, e ela não o faz, por medo, sentir-se-á inferiorizada. O essencial é educar uma criança sadia de corpo e espírito.
Não meter medo
Vigiar para não se falar do que mete medo às crianças; nem a família, nem as empregadas. E quando elas o ouvirem de estranhos, reduzir as coisas a suas verdadeiras dimensões, apontando o ridículo dos que temem o inofensivo.
Não ridicularizar
Quando a criança tem medo (é impossível não o ter), evite-se ridicularizá-la. Mesmo que não haja motivo real, há o subjetivo: ela vê o perigo, porque crê nele! Ridicularizar outros medrosos está certo; a própria criança não, porque isso a inibe e a inferioriza.
Confiança em Deus
Nós, que não compreendemos a educação sem o fator religioso, devemos valorizar, com a criança, a confiança em Deus: Ele nos protege. Pense a criança em Deus, invoque-O, e fique tranqüila.
Temores benéficos
Sempre que haja um perigo real, a criança deve saber temê-lo, a fim de evitá-lo. O melhor será saber com evitá-lo… A boa educação requer que não apenas se conheçam os perigos, mas se saiba evitá-los – preparando a criança para isto.
O temor de Deus
O grande temor de que o educador deve impregnar seus pupilos é aquele a que o Espírito Santo chama “o princípio da sabedoria” (Prov. 1,7). Quem tem na alma, firme e profundo, o temor de Deus, está em condições de resistir a todos os perigos e vencer todos os temores.
Teme-se o pecado, porque é ofensa ao Pai, muito mais do que pela conseqüência de levar ao inferno. Teme-se o perigo de pecar, porque as fragilidades da natureza não precisam mais de experiências para prová-las. Teme-se as más companhias, porque são elementos de perdição mais perniciosos que o próprio demônio.
Educar para o temor de Deus é educar para a sabedoria, porque o “temor do Senhor é a própria sabedoria” (Jo 28,28). É educar para o horror ao mal e o amor ao bem. É educar para a coragem, a fortaleza, a energia, a coerência – virtudes que estão faltando assustadoramente a nossos contemporâneos. É preparar homens que, em face do dever, saberão cumpri-lo sem olhar conveniências subalternas, porque desconhecem o medo da opinião alheia e não se apavoram dos instáveis julgamentos humanos.
É para esta educação que nos devemos orientar.
(Corrija o seu filho – Mons. Álvaro Negromonte)

Mensagem do Dia

"Leia, medite e pratique a Palavra de Deus." (Padre Pio de Pietrelcina)

A Igreja pelo Mundo

Sentença que veta crucifixo mobiliza Igreja ortodoxa grega
O primaz Ieronymos está disposto a convocar um Sínodo extraordinário
ATENAS, segunda-feira, 16 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- O primaz da Igreja ortodoxa grega, Ieronymos II, declarou-se disposto a convocar um Sínodo extraordinário para desenhar um plano de ação contra a recente sentença do Tribunal Europeu de Direitos Humanos que veta o crucifixo nas escolas.
“Não são só as minorias que têm direitos; os direitos são também das maiorias”, disse o primaz em uma declaração recolhida por diferentes agências de imprensa e da qual hoje informa o diário vaticano “L’Osservatore Romano”.
A sentença do Tribunal se produziu após lhe ser apresentado um caso na Itália. Decretou-se que a exposição do crucifixo nas salas escolares viola o direito dos pais à educação de seus filhos e restringe a liberdade de pensamento e de religião dos alunos.
Ieronymos se declarou disposto a convocar um Sínodo extraordinário, na próxima semana, para desenhar um plano de ação, no temor de que esta sentença possa constituir um precedente também para a Grécia. E fez um chamado aos católicos para rebater esta “ameaça aos símbolos cristãos”, contra aqueles juízes “que ignoram o papel do cristianismo na formação da identidade da Europa”.
A tomada de posição do primaz ortodoxo segue a uma tentativa por parte do Observatório para a aplicação dos Acordos de Helsinki na Grécia (Espe) de fazer ordenar desde um tribunal, após a decisão europeia sobre a Itália, a retirada de todos os símbolos religiosos das escolas, edifícios públicos e salas de justiça.
A respeito destas últimas, o Espe pediu ainda eliminar a presença do Evangelho da fórmula de juramento para as testemunhas. O tribunal de Atenas –indica a agência Ansa– rechaçou o pedido por falta de jurisprudência, mas não excluiu voltar a examiná-lo se a sentença europeia se fizer definitiva.
Por sua parte, a coalizão de esquerda (Syriza) perguntou ao governo como pensa se comportar a esse respeito, sublinhando que se a sentença do Tribunal de Estrasburgo fosse definitiva, deveria ser aplicada não apenas pela Itália, mas por todos os países europeus. A ministra de Educação, Anna Diamantopoulou, respondeu que “o problema não está na ordem do dia” , porque “os problemas da escola na Grécia são outros”.
O bispo ortodoxo de Thessaloniki, Anthimos, disse que espera que o Governo recorra contra qualquer sentença do tribunal grego ou europeu que obrigue a retirar os símbolos religiosos das escolas do país (geralmente um ícone do rosto de Cristo). E o bispo de Phthiotis, Nikolaos, advertiu que “em breve os jovens já não terão nenhum símbolo que os proteja” e que “os ídolos do futebol e do pop são sucessores pobres”.
A Igreja ortodoxa grega, à qual pertence 92% da população, interveio recentemente também para denunciar como “injusta” a decisão de triplicar o imposto sobre as propriedades, tomada pelo governo no contexto de um plano para sanar as contas públicas.
O Sínodo dos bispos, em uma declaração, afirmou que, ainda estando a Igreja disposta a cumprir com seu dever, a decisão de taxas as propriedades a 3 por mil, em lugar do precedente 1 por mil, coloca-a em uma situação de “desigualdade comparando com outras entidades legais”.
(Nieves San Martín)

Mensagem do Dia

"Escutemos a voz de nossa consciência." (Padre Pio de Pietrelcina)

domingo, 15 de novembro de 2009

Formação - Cura Interior

SOFRER SEM SE QUEIXAR


Por Thiamer Toth



A vida humana é uma série ininterrupta de aIegrias e tristezas que alternadamente se sucedem; e, para muitos de nós, os dias sombrios são mais numerosos que os de bom sol. Quem diz viver, diz sofrer.



Na vila de um jovem há já a dificuldade, provações mais ou menos duras, insucessos, mal-entendidos, doenças, sofrimentos fisicos e morais. E onde melhor se reveIa o carater é precisamente em suportar os golpes que o ferem: Sustine! Muitas vezes, os indigentes olham os ricos com inveja, e os estudantes pobres invejam os seus colegas mais afortunados. Parecem não acreditar que cada um de nós tem, sobre a terra, o seu quinhao de aflições - de uma maneira ou de outra.



Há homens que cerram furiosamente a mão e que bIasfemam contra a sua sorte no tempo de sofrimento: são aImas grosseiras. Outros há que, de cabeça baixa e morte na alma, choram o seu destino com impotente resignação: sao almas fracas. E há os ainda que, sofrendo embora nas horas de provação ou de doença, chorando a morte de um ente querido, sabem que o sofrimento viriImente suportado é o fogo que dá ao aço do carater a mais bela têmpera. Pode-se ser pobre e feliz, rico e infeliz ao mesmo tempo. Pode ser-se feliz com um corpo doente, e infeliz com uma saúde de ferro. Pode ser- se cego e feliz, ao mesmo tempo, como melancólico com oIhos de águia.



Tudo depende da maneira como nós deixamos o sofrimento operar em nossa aIma. Utiliza-o então, meu filho, na educação do teu carater. Lembra-te sempre de que uma dor suportada pacientemente aumenta o vaIor de um homem, que aquele que se faz pequeno cresce, que aquele que sabe humilhar-se se eleva, que a cólera dominada torna mais forte: numa palavra, que o sofrimento suportado com Deus torna a alma mais pura e o carater mais nobre.



Um quadro tem sempre Iuz e sombras. O talento do artista consiste precisamente em harmonizar estes dois contrastes e fazer sair deles a beIeza. Deus, que é o nosso Pai celeste, conhece as nossas dificuldades. Foi Ele que permitiu que tal infortúnio nos viesse. Tal infortúnio faz, portanto, parte dos seus designios a nosso respeito. Qual é este designio? Como o poderíamos nós conhecer com o nosso pobre cérebro humano? Punir-nos-á peIos nossos pecados passados? Quererá tornar-nos mais fortes em vista do futuro? Purificarmos? tornar-nos mais sérios? Quererá dar-nos ocasião de fazermos provisao de merecimentos? Não o sabemos. Mas uma coisa sabemos nós: é que a nossa alma deve sair mais pura, mais profunda, mais grave, melhor, numa palavra, do fogo do sofrimento.



A nossa oração, nesses dias sombrios, deve ser esta: Senhor, seja feita a vossa vontade, No bom tempo como na tempestadel Vossa Vontade se faca Senhor, Na alegria ou quando chega a dorl Senhor, vossa vontade seja feita: Vós sabeis o porque – Minha alma aceita-a!



0 sofrimento suportado sem se queixar é um exceIente meio de desenvolver o carater e fortalecer a vontade. É naturaI que o homem procure livrar- se do sofrimento. Mas, se não o consegue, mau e que procure aIiviar se, lamentando-se e chorando. Procura tu, com todas as tuas forças, resignar-te naquilo gue não puderes mudar, por em paz a tua alma, e terás feito muito para forticares a vontade. A alma de vontade fraca deixa-se reduzir a pó sob o camarteIo do sofrimento. Inversamente, o carater viril, lançará, taIvez, chispas, mas, tal como o aço, torna-se depois mais resistente. “Pode-se mostrar-se tanto heroismo no Ieito da dor, como no campo de batalha”- disse Sêneca.



Isto significa que o sofrimento é a melhor escola do carater. Se te encontrares a braços com a contrariedade, lembra-te das paIavras do barão J. Eotvos: “As provações da vida não tem o poder de abater aquele que sabe, no meio de atrozes torturas, guardar a confianca na Providência”. Do fundo da tua alma roga como aqueIe grande cristão: Dai, Senhor, aos outros, caminhos planos nos quais se pode caminhar muito tempo sem fadiga. Dai Ihes os bens que eIes mais desejam. Para mim, peço-vos uma senda pedregosa e áspera, com bom aspecto todavia, que me conduza sempre mais resoluto, e que eu possa seguir com a convicção de que não me perderei”.



Se os Romanos diziam que “é uma virtude romana fazer grandes coisas” – “fortia agere romanun est” - acrescenta-lhe tu que “é uma virtude cristã sofrer muito”- “fortia pati christianun est”.



Pensa um pouco na tristeza sem nome, no negro pessimismo, na melancoIia indizível, que inundavam no tempo do paganismo, as aImas mais nobres. Hoje não encontro um único ser que não preferisse a morte a tal existência. 0s gosos desregrados dos sentidos davam-lhes o desgosto do mundo e, no entanto, não tinham outros anseios senão esses. Somente um ou dois tiveram como que um pressentimento do Cristianismo, o que os eIevou as mais puras regiões. Quando estão na adversidade, o pagão e o descrente não sabem senão ranger os dentes, ao passo que o cristão suporta a dor pacientemente, e não com o cego fatalismo daqueles. Sem dúvida, o Cristianismo não pode fazer desaparecer do mundo a miséria, o sofrimento e as multiplas tentações que conduzem ao pecado, mas sabe, ao menos, dar lhes explicação, justificar os designios de Deus.



Acaso, sofres tu muito, meu fiIho? És pobre e doente? Teus pais estão na miséria? Suportas duras provações? Pergunta-te onde quererá Deus chegar. Talvez te esteja punindo dos teus pecados passadosl TaIvez EIe queira amadurecer a tua alma para uma vida mais fervorosa, temperar a tua alma como o fogo tempera o aço. Talvez ainda Ele queira aumentar os teus merecimentos para a vida eternal Talvez te conduza através da Existência como o guia da montanha conduz o viandante! – “Porque escolhes estas veredas escarpadas, pedregosas e incômodas”? - pergunta este.— “É preciso assim”- responde aquele – “porque só por estas veredas podemos chegar ao sitio maravilhoso que vamos ver. Pelos caminhos largos e fáceis, em breve estaríamos na planicie”.



“Porque motivo devo eu sofrer tanto”? - exclamas tu tambem. Mas como podes tu sabe-lo? Só Deus o sabe! Examina bem um belo tapete da Persia: que magnifica harmonia de linhas e de cores! VoIta-o: no avesso não verás senão uma intrincada confusão de fios. É assim a vida. Nós só vemos o avesso. O direito, isto é, o grande pensamento unificante, está na mão de Deus. É o proprio Deus eterno que tece o tapete da nossa existência, e a nossa limitada inteIigencia não pode descobrir as suas intenções. Os seus pensamentos não são os nossos caminhos.



Um dia, Santa Catarina de Sena teve de lutar contra uma tentação extremamente violenta. Tendo-a vencido com dificuldade, lamentava-se ela tristemente : “Onde estáveis, meu Jesus, enquanto a obscuridade invadia o meu coração”? – “Estava na tua alma”- respondeu o Redentor. “ Se eu lá não estivesse, os pensamentos que assediavam o teu espírito teriam penetrado na tua vontade e teriam causado a morte a tua alma”. Quando sofreres, não te assustes então, meu filho. Toda a força do oceano embravecido pode quebrar-se contra um só rochedo! ~



Nao imites as pIantas que estão direitas enquanto o sol as acaricia, mas que se fecham e se deixam esmorecer, logo que chegou o crepúsculo. O sofrimento é uma obra de arte divina talhada no mármore da tua alma. O que Deus quereria encontrar em tua aIma é o ouro. E o ouro - sabe-lo bem -, não está à superficie; é preciso procura-lo nas profundezas. O mármore deve abafar mais de um soluço sob as marteIadas do escuItor. Mas não vês que, se o artista ligasse importancia a isso, não poderia nunca fazer dele uma linda estátua,... uma obra-prima?...



Por isso, meu filho, não busques o sofrimento; mas se eIe vier, oIha-o bem de frente.



TOTH, Thiamer – O Jovem de carater – Quadrante – Pags 202- 208.

Imagens Combatentes

 

 

 

 
Posted by Picasa


Que Deus abençoe sempre mais esse povo santo! Venh você também fazer parte daqueles que combatem pelo Senhor.

Christian Moreira

Mensagem do Dia

"Esteja atento para nunca desanimar ao ver-se rodeado de tantas fraquezas espirituais." (Padre Pio de Pietrelcina)

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Mensagem do Dia

"Nossas imperfeições nos fazem reconhecer nossa miséria." (Padre Pio de Pietrelcina)

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Rir é um bom remédio

Hoje, tempo de fazer o bem!

“Aquele que souber fazer o bem, e não o faz, peca”


(Tiago 4,17)


Estando em oração em uma manhã, o Senhor me levou a meditar esta palavra. Nós sempre esperamos ouvir de Deus palavras doces, meigas de reconhecimento pelo “muito” que já temos feito. Mas Deus sempre vai além. Além do que achamos que deveríamos ou quereríamos ouvir, Ele providencia aquilo que nos é necessário. Temos vivido em tempos em que o bem parece mal e o mal parece bem. Tempos controversos em que luta-se pela vida das mulheres defendendo o assassinato de inocentes por meio do aborto. Tempos em que o errado é o certo e certo é o errado.

É exatamente neste tempo, que Deus nos convida a vivermos a radicalidade de nossa fé. A convocação que nos é colocada é: Fazer o bem e fazê-lo bem. Preciso ser sinal de controvérsia com aquilo que me é colocado pelo mundo. Remar contra a maré. Ser puro quando o mundo expõe a promiscuidade; falar de amor e perdão quando impera a violência; contemplar a simplicidade e a beleza das coisas frente ao consumismo do que é fútil.

Nosso amado padre Léo já falava em suas pregações dos cristãos light. Não podemos nos conformar em sermos “canjas” quando Deus nos chama a sermos “feijoadas” saboreadas à noite. Convivo com jovens que usaram uma expressão que a muito não ouvia: “da pesada”. Sempre usam esse termo para identificar algo que está além da média, que não é confundido, que é muito bom e digno de atenção. Pois bem, o Espírito Santo não espera outra coisa de nós. Sejamos cristãos “da pesada”. Que a nossa fé esteja estampada em nossa fala, vestimenta, opções, convicções. Façamos Jesus ser percebido através e por meio de nós. Sejamos nós evangelhos vivos de Nosso Senhor Jesus Cristo, seus olhos para fitar, seus pés para caminhar, sua voz para profetizar e sobre tudo, seu coração para amar.

Façamos o bem e o façamos muito bem. Sejamos o melhor que pudermos, não do que os outros, mas para os outros. Pois assim, na integralidade de nosso ser, teremos lutado o bom combate, e a nós estará reservada a coroa da glória.

“Por conseqüência, meus amados irmãos, sede firmes e inabaláveis, aplicando-vos cada vez mais à obra do Senhor. Sabeis que o vosso trabalho no Senhor não é em vão.”

(I Coríntios 15,58)

Christian Moreira - Consagrado Aliança Comunidade Canção Nova

A Igreja pelo Mundo

Índia: nova profanação de Igreja
Arcebispo de Bangalore lamenta episódio
BANGALORE, quarta-feira, 11 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- O arcebispo de Bangalore, Dom Bernard Moras, denunciou a falta de resposta do governo ante uma nova profanação de uma igreja no Estado indiano de Karnataka.
A igreja católica de Santo Antonio, em Kavalbyrasandra, nos arredores de Bangalore, foi objeto de vandalismo e de profanação na noite de sábado 7 de novembro, informou “Eglises d'Asia”, a agência informativa das Missões Estrangeiras de Paris (MEP).
O sacristão descobriu o fato ao abrir a igreja para preparar a missa dominical, no início da manhã de 8 de novembro.
O sacrário estava quebrado e as hóstias, no chão. Haviam saqueado os armários, forçado as caixas de doações e roubado um cálice de ouro, além de objetos litúrgicos.
Segundo o pároco, padre Arockiadas, a igreja, que conta com mais de cinco mil fiéis, tinha voltado a abrir após recentes obras de ampliação, e não havia registrado nenhum incidente de enfrentamento com as comunidades não cristãs.
O Estado de Karnataka tem sofrido “numerosos ataques a igrejas”, mas “não se deteve nenhum culpado, apesar das promessas das forças policiais”, denunciou Dom Moras.
O prelado declarou que está surpreso com a inação do governo e que perdeu totalmente a confiança na polícia.
“Estou profundamente ferido por esta profanação do Santíssimo Sacramento, que está no coração da nossa fé”, disse.
Também chamou à calma os fiéis. Quase mil se reuniram na igreja para rezar. A polícia patrulhou a área e tentou achar pistas dos criminosos.
No dia 10 de setembro, outra igreja tinha sofrido ataques de vandalismo, enquanto os cristãos de Karnataka se preparavam para recordar o triste aniversário dos ataques anticristãos do ano passado, perpetrados por extremistas hindus.
Aquele dia, a igreja de São Francisco de Sales, em Hebbagudi, nos arredores de Bangalore, foi forçada durante a noite por um grupo de 25 pessoas não identificadas. Romperam uma dezena de janelas e destruíram as estátuas de uma via sacra.
O pároco fez um chamado ao governo do Estado: “pedimos justiça perante o governo e as autoridades para que os cidadãos indianos possam praticar sua religião como segurança”.
Um forte debate agitou a Assembleia legislativa de Karnataka. Um dos líderes da oposição denunciou: “desde que o Bharatiya Janata Party (BJP) chegou ao governo em maio de 2008, não cessaram os ataques a igrejas, mesquitas e outros lugares de culto; não há harmonia social nem religiosa”.
Depois de Orissa, epicentro da violência anticristã de 2008, o Estado de Karnataka foi um dos mais afetados pelos ataques, com mais de 40 lugares de culto saqueados e numerosos cristãos agredidos e gravemente feridos.
A inação, ou a cumplicidade do governo e da polícia durante os ataques foram apontadas por Dom Moras.
Como havia feito em Orissa, o governo federal ameaçou então assumir o controle da situação se o Estado não mostrasse capacidade de conter os fanáticos hindus.
A Constituição do país permite uma intervenção federal se um dos Estados já não pode proteger os direitos dos cidadãos.
Por sua parte, os cristãos de Karnataka tinham decidido, por iniciativa de Dom Moras, reagrupar-se em um fórum ecumênico, o KUCFHR, para defender seus direitos fundamentais.
Delegações de 113 denominações cristãs reuniram-se em uma grande demonstração de unidade, no dia 19 de junho.
Segundo estatísticas de 2001, o Estado de Karnataka conta com mais de 53 milhões de habitantes, em sua grande maioria hindu.
Os muçulmanos representam cerca de 12% da população, e os cristãos, menos de 2%, sofrendo regularmente os ataques de fundamentalistas hindus.
Como durante o ataque do mês de setembro passado, o ministro do interior de Karnataka, V.S. Acharya, membro do BJP, qualificou a profanação da igreja de Santo Antonio como “incidente menor”.

Mensagem do Dia

"Mortificando-se a vontade, mortificam-se os sentidos." (Padre Pio de Pietrelcina)

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Eventos



Estarei presente nesta celebração de muita alegria e júbilo pelos 10 anos da Comunidade Luz de Deus, em uma pregação a partir das 15h, com o tema Jesus é o Senhor!

Deus Abençoe a Todos.

Oração - Santa Edviges



Santa Edviges, vós que na terra fostes o amparo dos pobres, a ajuda dos desvalidos e o socorro dos endividados, e no céu agora desfrutais do eterno prêmio da caridade que em vida praticastes, suplicante vos peço que sejais a minha advogada, para que eu obtenha de Deus o auxílio de que urgentemente preciso ...(fazer o pedido). Alcançai-me também a suprema graça da salvação eterna.

Santa Edviges, rogai por mim. Amém.

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória.

Deixe seu comentário com sua intenção de oração.

Mensagem do Dia

"Todas as delícias deste mundo terminarão!" (Padre Pio de Pietrelcina)

João Paulo II e a Queda do Leste Europeu

Lech Walesa: João Paulo II teve grande papel na queda do Muro de Berlim
“Europa necessita desesperadamente dos valores que empurraram aquela revolução”
BERLIM, terça-feira, 10 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- A abertura do Leste e a queda do Muro de Berlim devem-se principalmente à intervenção de João Paulo II e à força motriz da Divina Providência, disse o cofundador do sindicato polonês Solidariedade e depois presidente da Polônia Lech Walesa, ontem à noite, durante as celebrações dos 20 anos da queda do Muro.
“O futuro da Europa unida deveria ser construído sobre o fundamento da verdade da história, não sobre a mentira –insistia Walesa. Não foram só os políticos os que nesse momento levaram as honras do golpe da liberdade”.
“A verdade é muito importante quando falamos do curso da história”, disse Walesa durante a Fest der Freiheit (Celebração da Liberdade). Para Walesa, João Paulo II e o movimento trabalhista Solidarnosc (Solidariedade) têm a maior parte na nova abertura da Europa.
Sob uma chuva insistente, a chanceler alemã Angela Merkel atravessou ontem com seus anfitriões a ponte da Bornholmer Strasse, uma das primeiras passagens fronteiriças abertas em 1989. Para Merkel, foi um dos momentos mais felizes de sua vida, confessou.
As celebrações dos 20 anos da queda do Muro começaram com um serviço religioso na igreja Getsemani, símbolo da dissidência de Berlim Leste. Junto com o ex-presidente Mikhail Gorbachov e Lech Walesa, e outros lutadores pelos direitos civis, assim como várias testemunhas, a chanceler alemã cruzava simbolicamente a fronteira, onde de 13 de agosto de 1961 até 9 de novembro de 1989, mais de cem pessoas foram brutalmente fuziladas.
Lech Walesa elogiou o papel do Papa polonês na queda do muro de Berlim. Durante seu testemunho se puderam ver nos telões cenas da lendária visita do Papa João Paulo II à Polônia em 1979, e do levantamento dos mineiros. As imagens mostravam que no estaleiro “Lenin”, de Gdańsk, começou uma Europa livre.
Sua primeira viagem à Polônia, em junho de 1979, teve um impacto enorme, pois era a primeira visita de um Papa a um país comunista. Este fato suscitou uma força enorme na Polônia. Para os alemães, a reunificação, que ainda continua sendo um desafio, começou a 9 de novembro de 1989.
“A Europa necessita desesperadamente dos valores que empurraram aquela revolução”, reiterou Walesa na cerimônia, que milhões de espectadores puderam seguir pelas telas da TV alemã.
Momentos antes, sob a Porta de Brandemburgo, a chanceler Angela Merkel tinha recordado a queda do Muro de Berlim como o dia da “vitória da liberdade”, uma liberdade que se deve contemplar como algo pelo que se luta e defende a cada dia.
A 4 de junho de 1979, o Papa disse aos representantes do regime comunista: “permitam-me, veneráveis senhores, que siga considerado o interesse da Polônia como meu, e de participar nele tão profundamente como se ainda vivesse neste país e fosse cidadão desta nação”.
João Paulo II, a “sentinela da porta da liberdade”, como chamou Helmut Kohl, passou, no dia 23 de junho de 1996, ao final de sua visita à Alemanha reunificada, pela Porta de Brandemburgo.
“Agora que passei pela Porta de Brandemburgo, sinto que acabou verdadeiramente a Segunda Guerra Mundial”, comentou João Paulo II naquele momento, profundamente comovido.
O ex-presidente da Polônia e Prêmio Nobel da Paz Lech Walesa, junto ao primeiro-ministro da Hungria, Miklos Nemeth, pôs em marcha ontem à noite a operação de derrubada do dominó gigante de mil peças com o qual se simboliza o fim da Cortina de Ferro.
Foi também uma homenagem à Polônia, ao primeiro papa deste país do Leste, que foi o primeiro a lutar por eleições democráticas.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Agora, só falta você!!!

Foto da semana




“Se você não pode mudar seu destino, mude sua atitude.”

Amar a Igreja, apesar de suas manchas

Bento XVI exortou a amar a Igreja apesar de suas sombras e manchas, como parte do compromisso assumido no Batismo, ao concluir neste domingo uma visita à cidade de Paulo VI.
O pontífice quis concluir esta viagem de um dia visitando a paróquia de Concesio, pequeno povoado situado perto de Bréscia, onde foi batizado Giovanni Battista Montini no dia 30 de setembro de 1897.
Em sua homilia no pequeno templo, o Papa reconheceu: “Não é fácil ser cristãos”.
“É preciso ter valor e tenacidade para não conformar-se com a mentalidade do mundo – acrescentou –, para não se deixar seduzir pelo potente convite do hedonismo e do consumismo, para enfrentar, se for necessário, as incompreensões e inclusive perseguições.”
“Viver o batismo implica em permanecer solidamente unidos à Igreja, inclusive quando vemos em seu rosto sombras e manchas.”
“Ela nos regenerou à vida divina e nos acompanha em todo o nosso caminho: amemos a Igreja como nossa autêntica mãe!”, exortou o bispo de Roma.
“Amemos a Igreja e sirvamos a Igreja com um amor fiel, que se traduza em gestos concretos dentro das nossas comunidades, sem ceder à tentação do individualismo e do preconceito, superando toda rivalidade e divisão”, convidou.
“Assim seremos autênticos discípulos de Cristo”, concluiu, recolhendo os ensinamentos e experiências de Paulo VI sobre o Batismo, sacramento através do qual acontece “a transfusão do mistério da morte e ressurreição de Cristo em seus seguidores”.
O Papa concluiu assim uma visita de quase 12 horas a Bréscia, dedicada ao seu predecessor, na qual inaugurou a nova sede do Instituto Paulo VI.

fonte: zenit.org

Mensagem do Dia

"Não se esqueça de que Jesus quer se servir de você na sua situação atual." (Padre Pio de Pietrelcina)

O Sofrimento e a dor não são uma desgraça ou maldição

Faz parte do mistério da vida o sofrimento, a dor e estes costumam abalar as nossas estruturas físicas, espirituais e principalmente psico emocionais. As perguntas nos deixam cheios de confusão, por quê? Logo comigo, que não faço mal a ninguém? Porque que Deus que é tão bom e poderoso permite isso acontecer com aquela pessoa? Estou pagando os meus pecados? Aquela pessoa ruim e assassina merecia este não! Outra fraqueza que geralmente caímos é no conformismo, é vontade de Deus! Acontece com todo mundo ou culpamos algo ou alguém e acabamos sofrendo mais. Quando não se encontra o sentido para viver o sofrimento, perde-se muitas vezes o sentido de viver. Já pensou nisso? Que situação hoje mais te desequilibra e como você tem vivido os momentos de sofrimento em sua vida?

Porque é que Deus permite o mal?

“A fé dá-nos a certeza de que Deus não permitiria o mal se do próprio mal não extraísse o bem. Deus realizou admiravelmente isso mesmo na morte e ressurreição de Cristo: com efeito, do maior mal moral, a morte do Seu Filho, Ele retirou os bens maiores, a glorificação de Cristo e a nossa redenção”. (Catecismo da Igreja – Capitulo Primeiro, n°58). “Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os seus desígnios”. (Romanos 8,28).

Como tirar coisas boas de um grande sofrimento, como crescimento humano e espiritual, mudança de vida? O sofrimento é uma experiência de Monte Tabor, que nos transfigura que pode mudar a nossa vida. Você já pensou se as pedras preciosas não passassem pelo processo de lapidação, ou o ouro e a prata não passassem pelo fogo da purificação. Seriam pedras sem muito valor e beleza e metal fosco e sem grande importância. Os tempos de hoje não ensinam, nem preparam as pessoas para os grandes desafios e obstáculos da vida, nossa geração tem formado pessoas fracas, individualistas e muito frágeis, despreparadas emocionalmente, que não agüentam nada, como dizia o nosso Padre Léo: uma geração light. Tudo é muito fácil e esta sempre a mão, se mascara as coisas e não permite que as pessoas enfrentem os problemas de frente. Não existe problema sem solução e sofrimento sem fim, tudo passa!


Aprendi a chamar o sofrimento de “visita de Deus”, é claro que Ele não quer que ninguém sofra e muito menos venha a morrer, onde Ele se utiliza para manifestar a sua graça, para corrigir ou para mudar o curso de nossas vidas. “Deus te vê e não é indiferente a sua dor, Ele te entende, quer te envolver de amor”. Nos grandes sofrimentos que já vivi como morte de ente querido, enfermidades, decepções, tristeza e solidão etc. Fui adquirindo tempera e vencendo obstáculos, quero aqui partilhar com você alguns pontos que tem me ajudado a crescer e a não perder a alegria e o sentido de viver o sofrimento:

A primeira delas é o Dom da Fé: ela tem muitas vezes segurado o meu pranto e mostrado o caminho que eu devo seguir acreditar naquilo que ainda eu não estou vendo. (Cf. Hb 11, 1). Acreditar em Deus e que Ele esta no controle de tudo. “Tudo é possível para aquele que crê”.

Esperança: virtude do Espírito Santo, que continuamente tem alimentado a minha fé, principalmente no desanimo e na vontade de desistir, “pois a esperança não engana, pois o Espírito de Deus foi derramado em nossos corações”. A esperança é companheira do fruto da alegria, que nos liberta daquele sufoco de aceitar o que não tem mais jeito. Com isso eu sempre estou lutando e não baixo a guarda. Pois dizia São Francisco de Assis: “A alegria exorciza o demônio!”.

Oração e o louvor: “Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vosso respeito à vontade de Deus em Jesus Cristo”. (I Tessalonicenses 5,18). Na intimidade com Deus, eu o coloco no controle de tudo, evito a murmuração, o sentimento de derrota, auto-piedade e continuamente estou renovando as minhas forças para começar de novo e experimentar a libertação, o louvor abre as portas do sobrenatural, da ação de Deus. ”Pela meia-noite, Paulo e Silas rezavam e cantavam um hino a Deus, e os prisioneiros os escutavam. Então o carcereiro pediu luz, entrou e lançou-se trêmulo aos pés de Paulo e Silas”. (Atos dos Apóstolos 16,25. 29).

O Amor: Tenho encontrado a essência de Deus na minha família e nos amigos que o Senhor tem colocado ao meu lado, principalmente quando eu busco ajuda. Com eles eu partilho, choro e não preciso mascarar a minha dor, porque eles me amam. O amor tem sido como um balsamo suave, que diminui a dor do sofrimento e do cansaço. “O amor é paciente, o amor é bondoso. Não tem inveja. O amor não é orgulhoso. Não é arrogante. Tudo desculpa tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. (I Coríntios 13,4-7). O amor jamais acabará!

Assim tenho dado sentido e valor ao sofrimento e sei que já estou colhendo os frutos de quem está aprendendo a sofrer, não é fácil, mas vale a pena mudar a nossa mentalidade e dar ao mundo uma resposta diferente, o sofrimento e a dor não é uma desgraça nem uma maldição, pelo contrario é um trampolim para chegar à vitória, a vitória da vida. Sofrer sem nunca deixar de amar!

fonte: blog.cancaonova.com/padreluizinho

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Mais de 200 milhões de cristãos sofrem discriminações

Arquivado em: Mártires — Prof. Felipe Aquino at 4:39 pm on quinta-feira, outubro 29, 2009


O arcebispo Celestino Migliore, núncio apostólico e observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, disse em Nova York, durante sua intervenção na 64ª sessão da Assembléia Geral da ONU sobre a promoção e defesa dos direitos humanos, em 21/10/2009, que ainda que “não exista nenhuma religião no mundo que esteja isenta de discriminação”, a cristã é a mais perseguida.

“Está bem documentado que os cristãos são o grupo religioso mais discriminado”. “Mais de 200 milhões deles, de várias confissões, encontram-se em situações de dificuldade devido a estruturas legais e culturais que conduzem a sua discriminação”.

“Apesar de ser repetidamente proclamado pela comunidade internacional e especificado nos instrumentos internacionais e nas Constituições da maior parte dos Estados”, o direito à liberdade religiosa “continua sendo hoje violado de uma maneira ampla”, constatou.



Nos últimos meses, recordou, alguns países da Ásia e do Oriente Médio viram as comunidades cristãs “atacadas, com muitos feridos e mortos”, e “igrejas e casas presas das chamas”.

Estas ações, assinalou, “foram cometidas por extremistas em reposta às acusações realizadas contra algumas pessoas em base às leis antiblasfêmia”.



As disposições legislativas sobre a blasfêmia, prosseguiu, “convertem-se com muita facilidade em uma oportunidade, para os extremistas, de perseguir os que escolhem livremente seguir uma tradição de fé diferente”. E têm sido utilizadas para “fomentar a injustiça, a violência sectária e a violência entre religiões”, acrescentou.

“A cooperação entre as religiões – concluiu o arcebispo – é um requisito para a transformação da sociedade”, porque “realmente é possível construir uma cultura da tolerância e da coexistência pacífica entre os povos”.



Fonte: Nova York, 28 de outubro de 2009 (ZENIT.org).-

A Luta contra o Aborto pelo mundo!

Diretora de clínica de aborto deixa trabalho, após conversão

Da Redação, com agências


A diretora do Planned Parenthood, um centro de aborto no Texas, Estados Unidos, pediu demissão de seu trabalho após ver, através de uma ultrassonografia, o aborto de um feto que foi aspirado do ventre de sua mãe, em setembro deste ano. Abby Johnson atuou na clínica durante oito anos e, no dia 6 de outubro, deixou seu trabalho e procurou a Coalition for Life (Coalizão pela Vida), um grupo pró-vida que promove, em diversas cidades dos Estados Unidos, a "Campanha 40 dias pela vida", que tem como base iniciativas de oração e jejum.

Abby Johnson explica que teve uma "mudança de coração" e percebeu os interesses fincanceiros por trás das práticas de aborto. “Eu tive uma mudança de coração a respeito desta questão e vi mudanças nas motivações do impacto financeiro dos abortos e, realmente, alcancei meu ponto de ruptura após presenciar um tipo concreto de aborto através de ultrassonografia”, destacou a ex-diretora da clínica.

Em declarações à imprensa, Abby falou ainda de sua transformação interior: "Eu só pensava que eu não posso mais fazer isso. Foi como um flash que me bateu. E eu pensei: isso é tudo. Eu me sinto tão pura de coração. Não tenho essa culpa, nem o peso sobre mim. Então eu sei que essa conversão é, principalmente, espiritual", afirmou.

O diretor nacional do "40 dias pela vida", David Berei, explicou que, na última campanha, encerrada no domingo, 1°, outros sete trabalhadores de clínicas abortistas abandonaram sua profissão e, além disso, 563 vidas foram salvas.

"Esses são apenas os casos que nós conhecemos”, acrescentou, ao falar sobre os resultados da campanha que uniu 212 cidades de 25 estados dos EUA e cinco províncias do Canadá e Dinamarca.

Esta foi a sexta campanha na clínica do Texas. Desde 2004, os colaboradores pró-vida se concentram em frente ao Planned Parenthood e, neste ano, fizeram um dia inteiro de oração pelos que promovem e defendem o aborto.

Ao comentar o caso de Abby Johnson, David Bereit declarou que foi uma "conversão surpreendente" e que demonstrou a importância das constantes orações em frente às clínicas de aborto. "Desde da primeira campanha em 2004, oramos por Abby e por todos que atuam nos abortos, para que que viessem a compreender o que o aborto realmente é e para que deixasse esse negócio mortal. Neste caso, nossas orações foram respondidas. Estamos orgulhosos pela coragem de Abby deixar a indústria de aborto e, publicamente, anunciar suas razões para sair", acrescentou Bereit.

Após a saída de Abby Johnson, a Planned Parenthood solicitou uma ordem de restrição contra ela e a Coalition for Life.

Fonte: www.cancaonova.com

Mensagem do Dia

"Não perca a coragem quando for incompreendido." (Padre Pio de Pietrelcina)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Rir é um bom remédio

Conheça algumas ironias e variações na lei de Murphy.

1- GUIA PRÁTICO DA CIÊNCIA MODERNA:
1. Se mexer, pertence à Biologia.
2. Se feder, pertence à Química.
3. Se não funciona, pertence à Física.
4. Se ninguém entende, é Matemática.
5. Se não faz sentido, é Economia ou Psicologia.
6. Se mexer, feder, não funcionar, ninguém entender e não fizer sentido, é INFORMÁTICA.

2- LEI DA PROCURA INDIRETA:
1. O modo mais rápido de se encontrar uma coisa é procurar outra.
2. Você sempre encontra aquilo que não está procurando.

3- LEI DA TELEFONIA:
1. Quando te ligam: se você tem caneta, não tem papel. Se tiver papel, não tem caneta. Se tiver ambos, ninguém liga.
2. Quando você liga para números errados de telefone, eles nunca estão ocupados.
Parágrafo único: Todo corpo mergulhado numa banheira ou debaixo do chuveiro faz tocar o telefone.

4- LEI DAS UNIDADES DE MEDIDA:
Se estiver escrito ‘Tamanho Único’, é porque não serve em ninguém, muito menos em você…

5- LEI DA GRAVIDADE:
Se você consegue manter a cabeça enquanto à sua volta todos estão perdendo, provavelmente você não está entendendo a gravidade da situação.

6- LEI DOS CURSOS, PROVAS E AFINS:
80% da prova final será baseada na única aula a que você não compareceu, baseada no único livro que você não leu.

7- LEI DA QUEDA LIVRE:
1. Qualquer esforço para se agarrar um objeto em queda, provoca mais destruição do que se o deixássemos cair naturalmente.
2.. A probabilidade de o pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao valor do carpete.

8 – LEI DAS FILAS E DOS ENGARRAFAMENTOS:
A fila do lado sempre anda mais rápido.
Parágrafo único: Não adianta mudar de fila. A outra é sempre mais rápida.

9- LEI DA RELATIVIDADE DOCUMENTADA:
Nada é tão fácil quanto parece, nem tão difícil quanto a explicação do manual.

10- LEI DO ESPARADRAPO:
Existem dois tipos de esparadrapo: o que não gruda e o que não sai.

11- LEI DA VIDA:
1. Uma pessoa saudável é aquela que não foi suficientemente examinada.
2. Tudo que é bom na vida é ilegal, imoral, engorda ou engravida.

12- LEI DA ATRAÇÃO DE PARTÍCULAS:
Toda partícula que voa sempre encontra um olho aberto.

COISAS QUE NATURALMENTE SE ATRAEM:

Olhos e bunda
Nariz e dedo
Pobre e funk
Mulher e vitrines
Homem e cerveja
Queijo e goiabada
Chifre e dupla sertaneja
Carro de bêbado e poste
Tampa de caneta e orelha
Moeda e carteira de pobre
Tornozelo e pedal de bicicleta
Jato de mijo e tampa de vaso
Leite fervendo e fogão limpinho
Político e dinheiro público
Dedinho do pé e ponta de móveis
Camisa branca e molho de tomate
Tampa de creme dental e ralo de pia
Café preto e toalha branca na mesa
Dezembro na Globo e Roberto Carlos
Show do KLB e controle remoto (Para mudar de canal)
Chuva e carro trancado com a chave dentro
Dor de barriga e final de rolo de papel higiênico
Bebedeira e mulher feia
Mau humor e segunda-feira!

Foto da semana

A Luta contra o Aborto pelo mundo!

Católicos devem cobrar de Obama direito à vida, pede bispo

Da Redação, com Rádio Vaticano


Diante da iminente aprovação de uma reforma do sistema de saúde que permitiria o financiamento de abortos com recursos federais e deixaria a milhares de imigrantes desprotegidos, o Arcebispo de Denver (Estados Unidos), Dom Charles Joseph Chaput, publicou um apelo aos católicos do país para que peçam ao presidente Barack Obama que cumpra com suas promessas em relação ao direito à vida.


Em um artigo intitulado “Uma promessa foi feita, agora é necessário cumpri-la”, Dom Chaput recordou que há oito semanas o presidente Obama prometeu, durante uma sessão conjunta do Congresso, que seu plano de reforma do sistema de saúde não incluiria nem proporcionaria recursos públicos para o aborto.



“Excluir o financiamento ao aborto da reforma de saúde apresentada pelo presidente – e quero dizer excluí-lo verdadeiramente e não disfarçá-lo furtivamente sob a cobertura de algum jogo enganoso – deveria ser uma concessão fácil para o Congresso e a Casa Branca”, escreve o bispo norte-americano.



“É um preço modesto que eles poderiam pagar para obter o apoio dos católicos e de outras organizações pró-vida, ou pelo menos pela sua neutralidade. Também poderia dar credibilidade a Washington, ou seja, deixariam de ser palavras vazias quando se fala sobre o criar um terreno comum”, destaca Dom Chaput.

Fonte: www.cancaonova.com

Mensagem do Dia

"O Divino Mestre não proclama santos os felizes neste mundo, mas os que choram." (Padre Pio de Pietrelcina)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Mensagem do Dia

"Deus quer que todos nos tornemos santos. Não vamos desapontá-Lo." (Padre Pio de Pietrelcina)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Missão Aracati - 2




Missão de Aracati




Neste último domingo estivemos em missão na cidade de Aracati. Foi um dia de muita alegria e graça no Senhor.O tema do encontro foi "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a todas as criaturas". Um grande abraço a todos os irmãos da Comunidade Maranatha. Estamos juntos na Oração e na Euaristia.

A Alegria do Senhor é a nossa força!

Em que sentido celebramos os mortos?

Cristo esperança de todos os que crêem, ao dizer: O nosso amigo Lázaro dorme (Jo 11,11), chama adormecidos e não mortos os que partem deste mundo.


Também o santo Apostolo Paulo não quer que entristeçamos a respeito dos que já adormeceram, porque a fé assegura que todos os que crêem no Cristo, segundo a Palavra do Evangelho, não morrerão para sempre. Sabemos, pela fé, que ele não está morto e nós também não morreremos. Com efeito, à voz do arcanjo e ao som da trombeta divina, descerá do céu e os que nele tiverem morrido ressuscitarão (cf.1Ts 4,16).


Que a esperança da ressurreição nos anime, pois os que perdemos neste mundo tornaremos a vê-los no outro; basta para isso cremos no Senhor com verdadeira fé, obedecendo aos seus mandamentos. Para ele, todo-poderoso, é mais fácil despertar os mortos que acordarmos nós os que dormem. Dizemos essas coisas e, no entanto, levados não sei por que sentimento desfazemo-nos em lagrimas e a saudade nos perturba a fé. Como é miserável a condição humana e nossa vida sem Cristo torna-se sem sentido!


Ó morte, que separas os casados e, tão dura e cruelmente, separas também os amigos! Mas teu poder já está esmagado! Teu domínio impiedoso foi aniquilado por aquele que te ameaçou com o brado de Oséias: Ó morte, eu serei a tua morte! (Os 13,14 Vulg.). Nós também podemos desafiar-te com as palavras do Apostolo: Ó morte, onde está a tua vitória? Onde está o teu aguilhão? (1Cor 15,55).


Quem te venceu nos resgatou, ele que entregou sua amada vida às mãos dos ímpios, para fazer ímpios seus amigos. São inúmeros e varias as expressões da Sagrada Escritura que nos podem consolar a todos. Basta-nos, porem, a esperança da ressurreição e termos os olhos fixos na glória de nosso Redentor. Pela fé já nos consideramos ressuscitados com ele, conforme diz o Apostolo: Se morremos com Cristo, cremos que também viveremos com ele (Rm 6,8).


Já não nos pertencemos, mas somos daquele que nos redimiu. Nossa vontade deve sempre depender da sua. Por isso dizemos ao rezar: Seja feita a vossa vontade (Mt 6,10). Pela mesma razão, devemos dizer como Jó, quando choramos alguém que morreu: O Senhor deu o Senhor tirou; bendito seja o nome do Senhor (Jó 1,21). Façamos nossas estas palavras dele, a fim de que, aceitando como ele a vontade do Senhor, alcancemos um dia semelhante recompensa.

Das Cartas de São Bráulio de Saragoça, bispo Séc. VII.


Cristo morreu e ressuscitou para ser o Senhor dos mortos e dos vivos (Rm 14,9). Deus, porém não é Deus dos mortos, mas dos vivos (Mt 22,32). Por isso, os mortos, que tem por Senhor aquele que vive já não são mortos, mas vivos; a vida se apossou deles para que vivam sem nenhum temor da morte, à semelhança de Cristo que, ressuscitado dos mortos, não morre mais (Rm 6,9). Assim, ressuscitados e libertos da corrupção, não mais sofrerão a morte, mas participarão da ressurreição de Cristo, como Cristo participou da morte que sofreram.


Se ele desceu a terra, até então uma prisão perpétua, foi para arrombar as portas de bronze e quebrar as trancas de ferro (cf. Is 45,2; Sl 106,16), a fim de atrair-nos a si, livrando da corrupção a nossa vida e convertendo em liberdade a nossa escravidão. Se este plano de salvação ainda não se realizou _ pois os homens continuam a morrer e os corpos a decompor-se _ ninguém veja nisso um obstáculo para a fé. Com efeito, já recebemos o penhor de todos os bens prometidos, quando Cristo levou consigo para o alto as primícias de nossa natureza e já estamos sentados com ele nas alturas, como afirma São Paulo: Ressuscitou-nos com Cristo e nos fez sentar com ele nos céus (Ef 2,6).


Por este motivo, tendo Cristo elevado para junto do Pai as primícias da nossa natureza, leva também consigo todo o universo. Foi o que prometeu ao dizer: Quando eu for elevado da terra atrairei todos a mim (Jo 12,32).


Dos sermões de Santo Anastácio de Antioquia, bispo Séc. VI.


O que diz o Catecismo da Igreja:

1681. O sentido cristão da morte é revelado à luz do mistério pascal da morte e ressurreição de Cristo, em quem pomos a nossa única esperança. O cristão que morre em Cristo Jesus “abandona este corpo para ir morar junto do Senhor”.

1682. O dia da morte inaugura para o cristão, no termo da sua vida sacramental, a consumação do seu novo nascimento começado no Batismo, o definitivo “assemelhar-se à imagem do Filho”, conferido pela unção do Espírito Santo e pela participação no banquete do Reino, antecipada na Eucaristia, ainda que algumas derradeiras purificações lhe sejam ainda necessárias, para poder vestir o traje nupcial.

1683. A Igreja que, como mãe, trouxe sacramentalmente no seu seio o cristão durante a sua peregrinação terrena, acompanha-o no termo da sua caminhada para entregá-lo “nas mãos do Pai”. E oferece ao Pai, em Cristo, o filho da sua graça, e depõe na terra, na esperança, o gérmen do corpo que há de ressuscitar na glória. Esta oblação é plenamente celebrada no sacrifício eucarístico, e as bênçãos que o precedem e o seguem são sacramentais.

Padre luizinho - Comunidade Canção Nova

Mensagem do Dia

"Suporte tribulações, enfermidades e dores por amor a Deus e pela conversão dos pobres pecadores." (Padre Pio de Pietrelcina)